Prefeito coordena ajuda aos moradores em Águas do Miranda

Equipes dispõem de máquinas, caminhões e barcos e distribuirão mais de 4 toneladas de donativos.

23/02/2018 11h01 - Por: Assessoria de Comunicação

 

O prefeito municipal, Odilson Soares, encontra-se nesta sexta-feira (23) no Distrito Águas do Miranda juntamente com equipes da Defesa Civil, da Polícia Militar Ambiental e de voluntários para coordenar a ajuda do município às cerca de 60 famílias desabrigadas, moradoras do núcleo urbano e da região do Pesqueiro do Noé.

A equipe, também composta pelo secretário de Obras, Ygor Lopes, e de Meio Ambiente, Alexandre Ferro (Coordenador da Defesa Civil), conta com o apoio de máquinas, caminhões e barcos e tem como objetivo entregar mais de quatro toneladas de donativos, que incluem cestas básicas, água potável, material de higiene, peças de roupas, brinquedos, lonas e colchões, entre outros itens.

As famílias desabrigadas pelas enchentes que residem na área do distrito estão alojadas em casas de vizinhos e no barracão da comunidade, enquanto aproximadamente 20 famílias atingidas da região do Pesqueiro do Noé estão acampadas no campo de futebol, que é o ponto mais alto do local.

AULAS CONTINUAM SUSPENSAS

As aulas da Escola Municipal Rural do distrito foram suspensas devido à impossibilidade do comparecimento de parte dos alunos por falta de transporte, já que diversas estradas e pontes encontram-se danificadas.

De acordo com a presidente da Associação dos Moradores de Águas do Miranda, Monaliza Olivera, os trabalhos de atendimento aos desabrigados estão sendo coordenados pela entidade, com apoio da Associação Negra Quilombola Ribeirinha Águas do Miranda, da diretoria e professores da Escola Municipal Rural e de voluntários.

Segundo o professor municipal Valdecir Amorim, o rio Miranda continua subindo e a cheia poderá ser maior do que a ocorrida em 1969, quando a ponte de madeira que ligava os municípios de Bonito e Anastácio foi levada pelas águas.

"Temos ao redor do distrito diversas famílias ilhadas e sem condições de sair, já que não existe acesso por terra e os afluentes estão cheios. É com certeza a maior enchente em quase 50 anos", afirmou o professor.

Os donativos foram em parte adquiridos pela Prefeitura Municipal, arrecadados entre voluntários e doados por empresas como as Lojas Calderan, Supermercado Santos, Localiza Hertz, e Romat - Materiais de Construção.