Distrito Águas do Miranda realiza festa de Folia de Reis

Festa é organizada pelos católicos e pela Associação Negra Quilombola.

07/01/2018 18h13 - Por: Assessoria de Comunicação

 

Com a presença do prefeito municipal e a participação de centenas de pessoas, em dois dias de festividades, a comunidade do distrito Águas do Miranda realizou neste sábado e domingo (dias 6 e 7 de janeiro) mais uma edição da tradicional festa folclórica anual de Folia de Reis, celebrada com diversas atividades, incluindo celebrações religiosas, com procissão e missa, shows, churrasco e torneio de futebol.

Realizada há quase trinta anos, a festa é organizada pelos católicos da comunidade e pela Associação Negra Quilombola Ribeirinha Águas do Miranda, com a participação e colaboração dos moradores locais e da área rural da região, incluindo pescadores, professores e comerciantes, além do apoio da Prefeitura Municipal, da Fundação de Cultura de MS e da Conerq-MS (Coordenação das Comunidades Negras Quilombolas do MS).

Juntamente com a Romaria do Sinhozinho, a Folia de Reis (ou Festa de Reis) é um dos eventos mais importantes do calendário cultural de Bonito.

A origem da Folia de Reis

No dia 6 de janeiro comemora-se o Dia de Reis, que na tradição cristã foi o dia em que os três reis magos levaram presentes a Jesus Cristo. A origem da comemoração vem de uma tradição cristã portuguesa e espanhola, trazida para o Brasil possivelmente no século XIX.

Tendo como objetivo homenagear os três reis magos, os festejos têm início no dia 24 de dezembro (véspera do nascimento de Jesus), quando grupos organizados começam a visitar casas, chácaras, pesqueiros e fazendas levando as bênçãos e arrecadando doações e vai até o dia 6, quando os reis magos teriam chegado a Belém.

Com canções tradicionais e instrumentos musicais os grupos folclóricos, geralmente formados pelos três reis magos (representações), palhaços (bastiões) com máscaras e apitos que marcam a chegada e a partida da bandeira, coro, o mestre (ou embaixador), bandeireiro ou alferes da bandeira.

Existe também a figura importante do festeiro, de cuja residência parte a bandeira e também a ela retorna depois das visitas.